22 de mar de 2017

0

Aliados do PSDB e do PMDB, petistas de Picuí chamam Buba de incoerente por prestigiar visita de Lula à PB


Uma caravana da cidade de Picuí, Seridó paraibano, compareceu à visita do ex-presidente Lula (PT) ao Cariri paraibano no último domingo (19). Porém, a estrela que os petistas foram ver foi outra. Sem se dar conta de que são situação e sem ter a quem tecer críticas, um grupo de aliados do prefeito Olivânio Remígio (PT) ensaiou um movimento contra o deputado estadual e secretário paraibano Buba Germano (PSB). O "protesto" não durou 20 segundos.

Sem alcançar êxito, o pequeno coro logo se calou diante da multidão que estava ali com o objetivo de celebrar a entrega das obras da transposição à população. Apesar da presença do prefeito no mesmo palanque que o ex-presidente Lula, os petistas se preocuparam mais com a presença do deputado socialista no evento do que com “a celebração das águas”.

O motivo da fúria petista foram as declarações do deputado após perder o pleito municipal do ano passado para o que ele chamou de “banda podre” do PT. Os adversários do socialista não gostaram nada das declarações e acharam incoerente a sua presença no mesmo palanque que o líder do Partido dos Trabalhadores. Contudo, junto com Lula, estava o governador Ricardo Coutinho (PSB), chefe do Executivo Estadual, do qual Buba é auxiliar. Nas redes sociais, o parlamentar é taxado de incoerente.

Apesar de tudo, os petistas picuienses deram uma demonstração de memória curta. Os mesmos esquecem que, mesmo sendo contra petistas acusados de diversos crimes, o deputado Buba Germano votou no segundo turno de 2014 na presidente Dilma Roussef (PT) e foi contra o golpe que a tirou do poder. Contudo, nunca escondeu seu posicionamento favorável a condenação dos verdadeiros autores dos crimes de corrupção.

Todavia, os petistas picuienses não se envergonharam de estarem presentes em um ato que também protestava contra um governo tido como ilegítimo e comandado por seus também aliados nos dois últimos pleitos. De certo, naquele momento, esqueceram-se do apoio ao tucano Cássio Cunha Lima (PSDB) em 2014 e da doação de campanha no valor de R$ 30 mil recebida do PMDB à candidatura petista de 2016.

No quesito incoerência, os petistas perderam essa. E por sorte, não foram notados no evento como aliados dos partidos “golpistas”, como assim os chamam, pois do contrário teriam sido expulsos da Capital do Cariri e o feitiço acabaria virando contra o feiticeiro.


POLITICANDOPB

Nenhum comentário:

Postar um comentário