6 de dez de 2016

0

RC fala em “pior crise vivenciada no país” e destaca consequências para estados e municípios


“Esse aqui não é um encontro político, mas sim de trabalho”. Essa foi uma das primeiras frases do governador Ricardo Coutinho (PSB), ao abrir o evento, nesta segunda-feira (05), com os gestores eleitos e reeleitos da Paraíba, para os próximos quatro anos.

Ele agradeceu a presença e a confiança de todos, e aproveitou para alertar para o momento de crise financeira vivenciada pelo país, que atinge não só os estados, mas, sobretudo, os municípios.

Segundo o governador, o encontro foi idealizado para ressaltar a necessidade de encontrar medidas para minimizar os efeitos dessa crise. Coutinho ressaltou que esse é um momento de união, de parcerias e de hegemonia. E sugeriu que mais encontros como esse se tornem realidade no decorrer da administração.

“Estamos passando pela maior e pior crise que esse país já viveu. É muito séria, desde o ponto econômico e com forte aspecto político. Não sabemos como será o dia de amanhã. Precisamos de estabilidade política e isso afeta a minha gestão e a de cada um de vocês”, ressaltou.

E continuou: “Nós vamos ter um ano extremamente difícil. Nada aponta para a recuperação. O custo em um ano aumentou em 10%. E não podemos reduzir despesas com saúde por exemplo. Queremos mais da repatriação, mas isso não será o bastante. Reduzimos os custos de onde podemos, mas os custos não caem. Estamos há mais de cinco anos em estiagem e isso nos prejudica. As políticas para amenizar isso vinham do governo federal e hoje temos que pensar agora em políticas locais. A fome não está presente por algumas políticas sociais, Mas ainda sim há prejuízos e problemas. Fizemos adutoras e espero assinar mais ordens de serviço pra criar mais e inaugurar mais”.

Ricardo destacou ainda que estava satisfeito com a presença dos gestores, e sugeriu que, mesmo em crise, os prefeitos e o Governo do Estado não adotem a cultura de cultuar o caos.

“ Estamos no limite da seca. Mas não temos certas certezas. Mas ainda temos água e não podemos assustar a população. Em março a água deve chegar a Monteiro. Nossa adutora é o Rio Paraíba. Estavam criando a necessidade de construir uma adutora. Mas essas informações não são verdadeiras. É preciso ter cuidado com a informação e espero profundamente que juntos possamos construir políticas públicas para desenvolver a Paraíba”, disse.

Conforme Coutinho, é preciso a sensibilidade de todos para encontrar soluções, com ações conjuntas, mutirões na saúde.

” É a sensibilidade para com as questões fundamentais para o povo que vai dizer o tamanho da nossa parceria . São ações até fáceis para ajudar a população”, falou.

Além do governador Ricardo Coutinho, fazem parte da Mesa do evento a vice governadora Lígia Feliciano (PDT), o presidente da Assembléia Legislativa da Paraíba, Adriano Galdino (PSB), o deputado Gervásio Maia (PSB), o senador Raimundo Lira (PMDB), a prefeita de Conde, Márcia Lucena (PSB), além do presidente da Famup, Tota Guedes, e da UBAM, Leonardo Santana.

O encontro se estende durante todo o dia, com palestras, trocas de experiências e busca de soluções e também reconhecimento da relação do estado com cada município no que diz respeito principalmente aos convênios.


PB Agora

Nenhum comentário:

Postar um comentário